O quadro que você vê abaixo foi pintado no final do século 19, aproximadamente 66 anos após a Independência do Brasil. A obra de Pedro Américo, eternizada como um registro de como se deu o Grito do Ipiranga, foi encomendada pelo próprio Dom Pedro 2º com o intuito de celebrar Independência do Brasil. Esclareceremos aqui alguns mitos sobre esta data histórica.

“O Grito do Ipiranga” – Pedro Américo

O Grito da Independência não aconteceu como é mostrado no quadro

“D. Pedro montava um animal de carga, provavelmente uma mula, estava vestido como um tropeiro e não em uniforme militar, e o dragões da independência ainda não existiam. A guarda de honra era formada por fazendeiros, cavaleiros e pessoas comuns das cidades do Vale da Paraíba, por onde o príncipe passara alguns dias antes a caminho de São Paulo”, descreve o jornalista Laurentino Gomes em seu livro “1822”, “Além disso, uma testemunha do Grito (o coronel Marcondes, futuro Barão de Pindamonhangaba) registrou em suas memórias que D. Pedro estava com dor de barriga devido a algum alimento estragado que havia comido no litoral paulista. A cena real é bucólica e prosaica, mais brasileira e menos épica do que a retratada no quadro de Pedro Américo.”

 

O quadro de Pedro Américo é suspeito de plágio

“Napoleão em Friedland” – Ernest Meissonier

Outra questão polêmica que envolve a pintura é “a suspeita de que o quadro de Pedro Américo seja plágio de uma outra obra famosa, Napoleão em Friedland, de autoria do pintor francês Jean Louis Messonier, atualmente exposta em Nova Iorque no Metropolitan Museum of Art”. Segundo Laurentino, “os dois quadros são quase idênticos, mas o de Messonier é mais antigo que o de Pedro Américo”.

 

O Hino da Independência não foi composto em 7 de setembro de 1882

“Primeiros sons do Hino da Independência” – Augusto Bracet

“D. Pedro era de fato um músico talentoso, capaz de fazer composições de qualidade bastante razoável para a época. Ainda assim, seria extraordinário que no intervalo de apenas cinco horas, entre o Grito do Ipiranga e as celebrações noturnas em São Paulo, tivesse composto e ensaiado um hino de estrutura bastante complexa como o da Independência. Isso jamais aconteceu (…) A história oficial se encarregou de propagar a versão de que a noite de 7 de setembro de 1922 em São Paulo teria sido épica, de celebrações e composições inspiradas”, conta Laurentino.

 

O Brasil não deixou de ser colônia de Portugal no dia 7 de setembro de 1822

Naquela época, uma viagem de navio entre o Rio de Janeiro e Lisboa demorava cerca de dois meses, o que significa que as notícias a respeito do 7 de setembro de 1822 só chegaram a Portugal em novembro de 1822. A reação foi imediata. Os portugueses se mobilizaram para enviar mais tropas ao Brasil e tentar subjugar pela força os adeptos da Independência. A guerra só terminaria em novembro de 1823.

 

A Independência do Brasil não foi um processo pacífico

Segundo cálculos dos historiadores, morreram cerca de cinco mil pessoas nos confrontos entre portugueses e brasileiros, o que desmente também um outro mito segundo o qual a Independência brasileira teria sido um processo pacífico, resultado de uma negociação entre pai e filho, ou seja, D. João VI e D. Pedro. Isso não é verdade. Muita gente pegou em armas e morreu defendendo a autonomia do Brasil, especialmente na Bahia e nos outros estados do nordeste.

 

O Brasil teve que pagar pela Independência

Portugal só reconheceu a Independência do Brasil em 1825, mediante uma indenização de dois milhões de libras. Com parte desse valor, a antiga metrópole cobriria alguns dos gastos para impedir que o Brasil se tornasse uma nação independente. Depois de ganhar a guerra caberia aos brasileiros ressarcir os prejuízos dos adversários derrotados. No entanto, a assinatura desse tratado abriu caminho para o reconhecimento da nação que surgia no Novo Mundo.

 

Fonte: Gomes, Laurentino – 1822. Como Um Homem Sábio, Uma Princesa Triste e Um Escocês Louco por Dinheiro Ajudaram Dom Pedro a Criar o Brasil: Um País que Tinha Tudo Para Dar Errado (Nova Fronteira, 2010)

 

Curso e Colégio Sigma há mais de 20 anos vem se consolidando como a maior referência em curso pré-vestibular de Londrina e agora também com ensino médio. É líder em aprovações nas mais diversas universidades públicas e privadas do país.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *